Procedimentos

Pós Obesidade e Gravidez

PLÁSTICA APÓS GRANDE PERDA DE PESO / PLÁSTICA DEPOIS DA BARIÁTRICA  / PLÁSTICA DEPOIS DO PARTO / PLÁSTICA DEPOIS DA GRAVIDEZ / PLÁSTICA DEPOIS DA OBESIDADE / PLÁSTICA APÓS GASTROPLASTIA

Galeno, um dos maiores médicos do período greco-romano (século II), autor de mais de 125 tratados médicos, identificou dois tipos de obesidade: a moderada e a imoderada. A primeira, uma forma natural de gordura, e a segunda, uma forma patológica. Galeno escreveu em seu livro De Sanite Tuenda que “a arte de evitar a gordura e manter a boa saúde é ser obediente, pois nos obedientes, isto é impossível”.

Pois bem, você que está lendo este site e, porventura, teve grande perda de peso (ou passou pela gravidez ou grande perda de peso), é certamente um neo-obediente e por isso merece todas as glórias. Você é um vencedor pois as dificuldades para se perder dezenas de kilos são inúmeras e você conseguiu. Não importa se sua vitória foi pela cirurgia, dieta, exercícios ou uma combinação de fatores. O importante é que você chegou ao seu “novo eu” e, de agora em diante, falta pouco para completar esta mudança psicológica e física. Aos poucos o paciente se sente melhor com a saúde, com a aparência e percebe que pode ir além: pode ter um novo contorno corporal com a plástica após grande perda de peso ou parto.

Todo o trabalho, disciplina e “sacrifícios” pessoais merecem um prêmio maior. Afinal, a perda de peso não é o último estágio nesta jornada: é apenas o início do seu “novo corpo”. Só resta fazer a escolha: a plástica depois do parto e a plástica depois da bariátrica não são obrigatórias mas quando optadas pelo paciente podem trazer muitos benefícios estéticos e funcionais.

As cirurgias de contorno corporal e plástica após grande perda de peso vêm se tornando cada vez mais freqüentes no meio médico. O Dr. Wulkan aprendeu diretamente com mestres de Harvard e University of Pittsburgh que são os principais centros de referência mundial no assunto.

Com o conhecimento adquirido nos EUA, o Dr. Wulkan se tornou o único representante no Brasil e América do Sul de um dos mais experientes centros de contorno corporal pós grande perda de peso do mundo: o Hurwitz-Center for Plastic Surgery (www.hurwitzcenter.com). O Dr. Hurwitz é um renomado cirurgião plástico com mais de 25 anos de experiência e criou muitas técnicas para contorno corporal pós grande perda de peso, incluindo o Total Body Lift. Esta parceria é única e levou à criação do Wulkan-Hurwitz Center for Plastic Surgery visando ajudar pacientes dos EUA, Brasil e outros países a realizar tratamentos completos seguindo rigorosas condições de qualidade e segurança

Os pacientes que procuram este tipo de cirurgia geralmente passam por dois tipos de situação: perda de grande massa corpórea através de exercícios/dietas ou como conseqüência de procedimento bariátrico (ex: banda gástrica, cirurgias disabsortivas-restritivas,…). Outras situações em que se observam grande variação de peso são a gravidez e o envelhecimento natural.

Independente da causa da perda de peso, trata-se de um tipo de paciente vencedor que mostrou força e garra para realizar o sonho de ter mais saúde e um corpo mais bonito. A cirurgia plástica evoluiu rapidamente nos últimos anos, disponibilizando técnicas de grande valia para corrigir as deformidades da grande perda de peso.

 

QUALIDADE DE VIDA COM A PLÁSTICA DEPOIS DA GRAVIDEZ E PLÁSTICA APÓS GRANDE PERDA DE PESO

 

Após a perda e estabilização do peso, muitos indivíduos desejam mais mudanças que não podem ser alcançadas com cuidados nutricionais e atividades físicas. É quando as sobras de pele nos braços, mamas, abdomen, coxas e outras regiões começam a trazer desconforto e timidez. Nestas situações, apenas a plástica depois do parto e plástica após grande perda de peso podem retirar o excesso de pele e remodelar o corpo como um todo. A nova silhueta é brindada também com a recuperação da auto-estima e de bem estar social. É comum observar pacientes mais felizes, assim como a família deles notam mudanças positivas na personalidade de seu ente querido.

Perceba que estamos falando numa mudança que também pode ocorrer no âmbito psicológico. Existem vários mitos relacionados à obesidade e a idéia que o obeso é uma pessoa perturbada e com uma personalidade característica é um deles. Estudos mostram que o obeso parece ter uma morbidade psiquiátrica próxima da população em geral, não existindo um tipo de personalidade típica do obeso. No entanto, algumas particularidades psicológicas devem ser consideradas, tais como os aspectos discriminatórios da população, de transtornos de imagem corporal e as alterações do comportamento alimentar presentes em uma parcela de indivíduos obesos com episódios de comer compulsivo. O mesmo pode ocorrer com as pacientes que desejam plástica depois do parto pois o corpo mudou gradualmente ao longo dos meses mas as alterações no corpo podem ficar para sempre, assim como sua qualidade de vida.

Portanto, o seu conhecimento de que você é normal e reconhecimento de que não tem mais “tendências” de estar acima do peso, vai trazer um beneficio exponencial na sua auto-estima. A aceitação de seu novo corpo com o sentimento de nova psique é a dupla ideal nessa vitória final. Mens sana in corpore sano.

 

HÁBITOS SAUDÁVEIS: MANTENDO O EQUILIBRIO COM A PLÁSTICA APÓS GRANDE PERDA DE PESO E A PLÁSTICA DEPOIS DA GRAVIDEZ

 

É primordial que o candidato à plástica pós obesidade ou depois do parto tenha seu peso estabilizado por pelo menos 12-18 meses.
Sabe-se que o ganho de peso ocorre decorrente de uma ingestão de alimentos em maior quantidade do que a real necessidade do organismo ou come em quantidades moderadas mas a atividade física é muito limitada. Dessa maneira, é prudente que o paciente tenha sempre acompanhamento médico, nutricional e que realize atividade física monitorada regularmente. Um acompanhamento de equipe multidisciplinar (ex: nutricionista, endocrinologista, cardiologista) aumenta a chance de sucesso da plástica depois da gravidez e plástica depois da bariátrica.

Algumas dicas importantes:

-Reeducação alimentar evita o “efeito sanfona”. Ganhar e perder peso rápido e rotineiramente não faz bem à saúde.
-Alimentação fracionada e de menor volume.
-Evitar gorduras saturadas.
-Evitar álcool.
-Mastigação lenta de alimentos para saciar a fome (estimula o centro da saciedade).
-Iniciar as refeições com salada.
-Beber 8 copos de água por dia.
-Atividade física freqüente.

Avaliação nutricional é muito importante para que o paciente que se submeta à plástica após grande perda de peso tenha uma boa recuperação e cicatrização adequadas. Isto ocorre pois o ex-obeso pode necessitar de maior ingestão de proteínas para se ter uma boa recuperação cirúrgica, entre outros suplementos recomendados. É um erro perder peso em excesso pois o corpo vai se tornar fraco e incapaz de se recuperar adequadamente de uma cirurgia plástica.  É por este motivo que pacientes com grande perda de peso ou que desejam fazer a plástica depois da gravidez devem ser avaliados por múltiplos especialistas que trabalham junto para que tenha um período pós operatório sem intercorrências.

Em algumas situações, o seu endocrinologista de confiança poderá optar por receitar medicamentos (ex: sacietógenos, inibidores de absorção de gordura, inibidores de apetite). É importante que a equipe multidisciplinar esteja sempre de acordo com todas as condutas adotadas. Geralmente, o Dr. Wulkan pode sugerir que acompanhe os médicos da equipe dele para que não ocorram diferentes condutas de cada médico. Isto torna o tratamento mais harmônico, mas o paciente tem sempre a livre escolha dos médicos de sua preferência.

Quando se fala em manter o peso, o mais prudente é saber o quanto é recomendável/aceitável para determinada altura. Por este motivo, criou-se o ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA (IMC). O IMC é uma medida internacional usada para calcular se uma pessoa está no peso ideal e é aceito pela Organização Mundial de Saúde como preditor de obesidade.

O IMC é determinado pela divisão da massa do indivíduo pelo quadrado de sua altura, onde a massa está em quilogramas e a altura está em metros.

Conforme o resultado do IMC, classifica-se o indivíduo conforme a tabela a seguir:

IMC

CLASSIFICAÇÃO

<18,5

Magreza

18,5-24,9

Saudável

25,0-29,9

Sobrepeso

30,0-34,9

Obesidade Grau I

35,0-39,9

Obesidade Grau II (severa)

>40

Obesidade Grau III (mórbida)

 

No entanto, existem alguns problemas em usar o IMC para determinar se uma pessoa está acima do peso. Por exemplo, pessoas musculosas podem ter um IMC alto e não serem gordas. O IMC também não é aplicável para crianças, sendo que precisa de gráficos específicos. Além disso, não é aplicável para idosos, para os quais se aplica classificação diferenciada. O IMC é o valor de massa corporea, que as diferenças raciais e étnicas têm sobre o Índice de Massa Corporal. Por este motivo, um grupo de assessoramento à Organização Mundial de Saúde concluiu que pessoas de origem asiática poderiam ser consideradas acima do peso com um IMC de apenas 23.

As seguintes considerações devem ser feitas:

·         IMC <18,5: O peso está abaixo da faixa considerada normal. É possível que seu biotipo seja do tipo longilíneo (pessoas altas e magras)  e, nesse caso, seu percentual de gordura corporal pode estar normal. Se este for o seu caso, a plástica depois da gravidez poderá ser feita.

·         IMC entre 18,5 e 24,9: O peso está dentro da faixa considerada normal. Se você não sofre de doenças (ex: diabetes, hipertensão arterial ou excesso de colesterol e triglicérides) e ainda assim deseja emagrecer, provavelmente o motivo é apenas pela estética corporal. Tenha a cautela para não exagerar nas dietas/exercícios pois pode resultar em riscos desnecessários. Pacientes que desejam fazer a plástica depois do parto com este índice de IMC são boas candidatas a um bom resultado.

·         IMC entre 25 e 29,9 com cintura até 89 cm: Você está na faixa chamada de "excesso de peso". Como sua medida de cintura está abaixo de 90 cm, você provavelmente não apresenta um excesso de tecido adiposo no interior do abdômen (gordura visceral). Se você deseja a plástica pós obesidade e se encontra nesta faixa de IMC, possivelmente terá um bom resultado.

·         IMC entre 25 e 29,9  com cintura acima de 90 cm: Também corresponde à faixa de  "excesso de peso". No entanto, é  grande a probabilidade de conter gordura no interior do abdome e gera maior riscos para diabetes, hipertensão arterial e hipercolesterolemia. É grande a probabilidade de permitir a operação para pacientes que desejam a plastica depois da bariátrica nesta faixa de IMC.

·         IMC entre 30 e 34,9: É a faixa de obesidade leve. Existe uma maior probabilidade de complicações como diabetes, hipertensão arterial e hipercolesterolemia. Mesmo perdas moderadas, como 10% do peso atual, podem reduzir significativamente seu risco de complicações. Pacientes que querem ser submetidos à plastica após grande perda de peso e que tinham IMC>35 mas emagreceram e se situam nesta faixa de IMC provavelmente poderão fazer a cirurgia.

·         IMC entre 35 e 39,9: É a faixa chamada de obesidade moderada. É altíssima a probabilidade que neste peso já existam complicações metabólicas, como diabetes, hipertensão arterial e hipercolesterolemia, além de predispor a doenças osteoarticulares. O indivíduo deve procurar seu médico e iniciar um tratamento para emagrecer. Se não conseguir emagrecer com uma orientação adequada sobre modificações dietéticas e prática de atividades físicas, justifica-se o uso de medicamentos, desde que devidamente supervisionado por um médico e nutricionista, e mesmo a cirurgia bariátrica. Raros casos de pacientes que desejam a plástica pós obesidade ou plástica depois do parto com este IMC poderão ser operados; tudo depende da consulta com o Dr. Wulkan e resultados de exames físicos e laboratoriais.

·         IMC > 40: É a faixa de obesidade mórbida. Ela corresponde a um risco muito aumentado de diversas doenças que podem levar à morte. Seu tratamento, em geral, é muito difícil, mas assim mesmo qualquer esforço é válido. Deve-se buscar ajuda médica o quanto antes. Geralmente indica-se a cirurgia bariátrica, salvo se o paciente conseguiu seguindo orientação adequada sobre modificações dietéticas e prática de atividades físicas com ou sem o uso de medicamentos. Os casos que se permitem realizar a cirurgia plástica depois da bariátrica com este indice de IMC são raros e visam basicamente benefícios funcionais (ex: facilitar higienização) e não estéticos. Devido à altos riscos de saúde, o caso será monitorado por equipe multidisciplinar e pelo Dr. Wulkan sendo que a autorização da cirurgia só poderá ser feita se todos os médicos envolvidos observarem mais benefícios do que riscos ao paciente.

Embora amplamente difundido, o IMC não é o melhor índice para saber se a pessoa está acima do peso. O método mais preciso para determinar se a pessoa está gorda é a medição do percentual de gordura do corpo. Outro fato importante que deve ser notado é a diferença de gordura que existe dentro da barriga (ao redor e dentro dos órgãos) daquela que está presente embaixo da pele (ex: culotes). As duas denotam diferentes situações que devem ser investigadas e explicadas em detalhe durante a consulta médica.

Muito mais do que rotular a obesidade como algo decorrente do IMC, a obesidade é definida como o aumento do peso corpóreo em relação ao peso ideal devido ao excesso de tecido adiposo (gordo) no organismo. Atinge indivíduos de ambos os sexos e todas as idades, porém é mais freqüente nos adultos do sexo feminino. Trata-se de fenômeno multifatorial cuja origem envolve componentes genéticos, endocrinológicos, metabólicos, comportamentais, psicológicos e sociais.

A obesidade não é um problema moral, psicológico ou de falta de força de vontade, como era tratada erroneamente até bem pouco tempo. É uma doença e o seu tratamento leva a redução do número de complicações e da mortalidade de pessoas que teriam sua expectativa e qualidade de vidas diminuídas.

Os pacientes que perderam muito peso costumam ter grandes desequilíbrios nutricionais e até alguns tipos de anemia. É determinante o acompanhamento nutricional para detectar erros alimentares existentes, carências nutricionais, interrelacionar os mesmos com os sintomas apresentados pelo paciente e esclarecer o papel do hábito alimentar adequado e dos nutrientes na saúde física, mental e emocional e também na prevenção das doenças e não simplesmente o "alimento como o que engorda ou emagrece". Para isto, a paciente que deseja plástica depois do parto  ou plástica após grande perda de peso necessita de um bom acompanhamento com endocrinologista e nutricionista.

O ideal é que a suplementação se inicie antes do processo cirúrgico, visando:

  • corrigir os desequilíbrios entre os nutrientes, que provavelmente vem de longa data;
  • estimular as defesas do organismo, evitando as infecções;
  • melhorar a cicatrização e reduzir riscos de efeitos colaterais da cirurgia e de desnutrição, prevenindo inclusive anemias e depressão fisiológica;
  • favorecer a integridade da parede intestinal para haver uma melhor absorção dos nutrientes ingeridos, prevenir a absorção de xenobióticos e macromoléculas ( que podem gerar alergias alimentares) e ainda garantir uma melhor produção de neurotransmissores pela parede intestinal. Pode ser necessária a inclusão de pré e probióticos e de nutrientes que são matéria-prima para a formação e boa manutenção da mucosa intestinal como zinco, àcido-fólico, L-glutamina, vitamina A, entre outros. A utilização da gordura como energia pelo organismo depende da presença de vários outros nutrientes, e muitas vezes a dificuldade deste processo pode estar sendo determinado pelas carências nutricionais. O contrário também é nocivo pois os excessos podem contribuir para aumento de gordura corporal, porém as carências não deixam que a gordura já acumulada seja utilizada efetivamente. Isso resulta numa maior utilização da massa magra como energia e conseqüente perda de líquidos, diminuindo o peso total na balança, porém sem redução efetiva da gordura corporal.

A suplementação nutricional deve conter pró e prébioticos e das fibras solúveis já comentamos, além dos macros e micronutrientes em equilíbrio para manutenção das funções físicas, mentais e emocionais. Deve-se lembrar sempre que os nutrientes são a fonte natural de formação das moléculas que constituem e mantém o funcionamento adequado do nosso organismo, especialmente para o paciente que deseja a plastica depois da bariátrica.

É importante considerar todo o estresse fisiológico do o paciente com grande perda de peso passa. O emagrecimento e a mobilização das gorduras aumentam a liberação de metais tóxicos e geração de radicais livres. Quando necessário, a suplementação de nutrientes antioxidantes como Zn, Se, Mn, Cu, Vit. C, Alfatocoferol, Betacaroteno poderá ser feita. Estes nutrientes também tem ação primordial em ativar o sistema imunológico e isto é bastante importante para a plástica depois da gravidez e outras condições. É de igual importância a presença regular dos nutrientes precursores de neurotransmissores como Mg e Vit. B6, principalmente, assim como as vitaminas do complexo B com benefícios para a plástica pós obesidade. A exemplo disso podemos citar a vitamina B3 que preserva o triptofano para a formação da serotonina.

O cromo é essencial para o metabolismo das gorduras e dos carboidratos. Pacientes obesos apresentam freqüentemente uma resistência celular à insulina. A presença dos nutrientes que regulam estes processos como vanádio, cromo e fibras podem reduzir essa resistência, favorecendo uma produção adequada de energia, corrigindo as disglicemias e evitando a Síndrome X (Síndrome Plurimetabólica). A glicina, a taurina e o molibdênio são nutrientes essenciais para melhorar a eliminação de toxinas do organismo.

As vitaminas e minerais vivem num equilíbrio dinâmico e interagindo constantemente. A suplementação mais adequada é aquela que leva todos esses fatores em consideração e seja a mais completa possível. Pacientes que querem a plástica depois da bariátrica devem estar atentos para a necessidade de usar vitaminas. Usualmente, envolve um complexo de vitaminas e minerais, adequando as quantidades para cada paciente e promovendo uma sinergia entre estes nutrientes, e dos mesmos com os macronutrientes.

A suplementação nutricional é sempre individualizada e só pode ser sugerida após consulta rica em detalhes e exames laboratoriais pelo Dr. Wulkan e nutricionista.

Para auxiliar na escolha de alimentos saudáveis, pode-se utilizar a pirâmide alimentar, que funciona como um orientador desta escolha.

A pirâmide alimentar separa os alimentos em energéticos, reguladores, construtores e energéticos extras. Esses alimentos devem ser consumidos em ordem decrescente, ou seja, devemos consumir em maior quantidade os energéticos, seguidos dos reguladores, dos construtores e por último os energéticos extras, de consumo limitado.

Os alimentos energéticos são os responsáveis por gerar energia (combustível) para que nosso organismo possa realizar suas funções normais. Eles são os carboidratos complexos, como farinhas, pães, tubérculos, massas, cereais, trigo. Pessoas com peso normal devem consumir de 5 a 9 porções ao dia.

Os reguladores, que são os legumes, frutas e verduras, fornecem vitaminas, minerais e fibras. Deve-se consumir de 4 a 5 porções de vegetais e de 3 a 5 porções de frutas ao dia.

Os construtores são os ricos em proteínas, como o leite e derivados, carnes, ovos e leguminosas, e são responsáveis pela construção de novos tecidos, pelo crescimento e pela reparação do desgaste natural dos tecidos. Devem ser consumidas 3 porções de leite e derivados ao dia, de 1 a 2 porções de carne ou equivalentes ao dia e as leguminosas 1 porção ao dia. Os construtores são muito importantes para a cicatrização tanto na plástica depois do parto como na plástica pós obesidade.

Dentre os energéticos extras, os açúcares e doces devem ser consumidos com moderação de 1 a 2 porções ao dia. As gorduras, por sua vez, são necessárias em uma quantidade mínima ao organismo de 1 a 2 porções ao dia, pois realizam isolamento térmico, proteção contra choques e transporte de algumas vitaminas. Os energéticos extras não são absolutamente fundamentais para os pacientes que desejam a plástica deposi da gravidez.

Algumas mudanças simples em nossos hábitos alimentares devem ser adotadas pelo bem de nossa saúde:

·         Ajuste a ingestão de alimentos e o nível de exercícios para manter o peso corpóreo adequado.

·         Consuma uma grande variedade de alimentos para garantir a absorção de nutrientes corretamente: o seu organismo necessita de diversos nutrientes que não podem ser encontrados em um único alimento. Desta forma, sua alimentação deve incluir uma variedade deles. Lembre-se sempre de comer: grãos, frutas, vegetais, laticínios e carnes, pois cada um destes alimentos oferecerão diferentes nutrientes.

·         Consuma menos gorduras, especialmente as gorduras saturadas: as gorduras ingeridas devem representar cerca de 30% das calorias ingeridas.

·         Aumente os carboidratos ingeridos, especialmente os carboidratos complexos (amido, por exemplo): os carboidratos ingeridos devem representar cerca de 55% das calorias ingeridas.

·         Procure comer na hora certa: é importante compreender o ritmo biológico do organismo e obedecer a uma disciplina nos horários das refeições (4 a 6 vezes por dia), conforme prescrição médica/nutricional. Esta dica é particularmente importante para os pacientes que desejam a plástica depois da bariátrica pois podem ter dificuldade para se alimentar com grandes quantidades de comida de uma só vez.

·         Consuma menos açúcar refinado.

·         Consuma menos sal.

·         Consuma mais fibras.

·         Consuma mais frutas e verduras.

Lembre-se sempre que comer, além de ser uma necessidade, deve ser uma atividade prazerosa, realizada com moderação. O alimento deve ser saboreado, nunca engolido. Para mudar este vício, o ideal é contar quantas vezes conseguimos mastigar, procurando manter o alimento na boca, mastigando-o de 30 a 70 vezes, até que se dissolva completamente. Radicalismos não fazem parte de uma boa alimentação; o equilíbrio alimentar deve ser o objetivo.

 

QUANDO É A HORA IDEAL PARA SE OPERAR?

 

A melhor época para fazer a plástica depois da bariátrica é quando se está próximo(a) de alcançar o peso ideal e se mantém estável por pelo menos 3-6 meses. Isto ocorre, em média, entre 12 e 18 meses decorrido o procedimento bariátrico ou após 12 meses de emagrecimento monitorado sem cirurgia.

As pacientes que desejam realizar a plástica depois do parto devem esperar pelo menos 6 meses do término da amamentação. Não recomendamos que a plástica seja feita no mesmo tempo do parto. Este momento é mágico e toda atenção e dedicação deve estar voltada para o recém nascido e saúde da mãe. A plástica depois da gravidez precisa ser feita no futuro quando os níveis hormonais já estiverem voltado ao nível da normalidade.

A importância de se obter um IMC adequado para ser submetido à plástica após obesidade se deve por alguns motivos. Quanto menor o IMC, menor o risco de complicações. Também é notório que durante fases precoces de grande perda de peso o indivíduo fica num balanço nutricional negativo impróprio para se recuperar de uma cirurgia. E por último, o resultado estético da plástica após grande perda de peso é de melhor qualidade se estiver próximo do peso ideal.

Pacientes fumantes devem ser desencorajados a operar caso não consigam largar o tabagismo. Não restam dúvidas que parar de fumar é difícil. Mas todo paciente que fuma apresenta, em média, 4 vezes mais complicações no pós operatório tanto da plástica depois da bariátrica quanto na plástica depois do parto. Para o paciente vencedor que já conseguiu parte de seu objetivo, um estímulo correto pode facilitar esta batalha contra a nicotina e as mais de 4700 substâncias do cigarro. Parando de fumar, você viverá melhor e por mais tempo. Além de todos os benefícios sabidos e expostos na mídia, deixar o vício do cigarro é primordial para o paciente que vai se submeter à plástica de contorno corporal. Portanto, lembre-se: se desejar operar, não fume. Isto é muito importante.

Médicos sérios solicitam um período pré-cirúrgico de pelo menos 4 semanas sem fumar. Com isso, a circulação sanguínea melhora, a função pulmonar aumenta em até 30% e a caminhada torna-se mais fácil. A abstinência ao fumo deve ser mantida pelo tempo necessário até que todas as incisões estejam cicatrizadas. Existem centros de saúde com programas que auxiliam o indivíduo a largar o vício do tabagismo, inclusive gratuitos. Apenas o paciente pode ser capaz de se ajudar tomando uma atitude pró-ativa em direção à sua saúde. Viva melhor, viva sem fumo.

 

A TROCA

 

O paciente que perde grande quantidade de peso corpóreo é um vencedor. Rapidamente percebe os benefícios de seu esforço com sua saúde melhorando drasticamente de dores e muitas doenças se tornam controladas com ou sem medicamentos (ex: diabetes, hipertensão arterial, artrose no joelho). A gestante que atinge próximo do seu peso antes da gestação também merece reconhecimento.

O indivíduo se sente melhor psicologicamente e fisicamente. Cada atividade simples é brindada com satisfação pessoal extrema; ir ao shopping para comprar novas roupas, ser reconhecido por colegas como um “novo corpo” simplesmente não tem preço.

Embora a maioria das mudanças que a perda de peso possa trazer são positivas, a pele pendente é um incômodo para muitos pacientes que necessitam a plástica após grande perda de peso. Pode afetar a auto-estima, higiene pessoal e ser um lembrete diário da obesidade, gestação prévia ou envelhecimento. Portanto, mesmo a paciente que deseja a plástica depois da gravidez tem razão em expor seu descontentamento com a mudança corporal decorrente da gestação.

Por estes motivos, achamos que o seu esforço deve ser recompensado.

No entanto, lembre-se que uma troca deve ser feita: mais contorno por mais cicatriz. Não é possível retirar excesso de pele sem fazer incisão. As cicatrizes vão variar em tamanho, qualidade e serão permanentes. O aspecto da cicatriz vai ser determinado pelo processo natural de cicatrização do seu corpo, ou seja, varia de pessoa para pessoa.

Portanto, apenas você pode saber se esta “troca” de contorno corporal harmônico versus cicatriz é válida. Igualmente, a recuperação pode ser lenta envolvendo possíveis intercorrências e complicações, especialmente em pacientes que fazem a plástica depois da bariátrica com IMC alto. Mulheres que fazem a plástica depois do parto no período correto costumam ter boa recuperação com baixa frequencia de intercorrências.

Muitos pacientes que tiveram grande perda de peso e se submeteram à plástica depois da bariátrica relatam que esta “troca” é válida. Caso esteja convicto(a) de que é válido aceitar os benefícios, cicatrizes, riscos e possíveis intercorrências do procedimento, você poderá ser um(a) candidato(a) às técnicas de contorno corporal de plástica pós obesidade e plástica depois do parto.

 

SOU UM CANDIDATO PARA CIRURGIA DE CONTORNO CORPORAL DE PLÁSTICA APÓS GRANDE PERDA DE PESO E PLÁSTICA DEPOIS DA GRAVIDEZ?

 

Os seguintes critérios devem ser rigorosamente seguidos para se realizar a cirurgia de contorno corporal pós grande perda de peso (ex: plástica depois da bariátrica e depois do parto):

·         Peso estável por pelo menos 12-18 meses consecutivos. Não serão operados pacientes com flutuação constante de peso.

·         Pacientes submetidos à cirurgia bariátrica devem ter liberação do seu cirurgião geral. De maneira geral, espera-se a perda de 40% do peso para que o procedimento estético-funcional possa ser realizado após 12-18 meses de estabilidade do peso.

·         Gestantes que não tiveram complicações anestésicas durante o parto e que pararam de amamentar por pelo menos 6 meses.

·         Acompanhamento antes e depois da cirurgia com nutricionista, endocrinologista e clínico geral. Se necessário, solicita-se suporte psicológico.

·         Pacientes com alta motivação, emocionalmente estáveis, otimistas e realistas com a limitação do procedimento. A cirurgia propõe restaurar a naturalidade do equilíbrio corpóreo ao indivíduo e não uma mudança radical ou irreal.

·         Pacientes não fumantes ou que parem de fumar até 1 mês antes da cirurgia e em definitivo durante todo o processo de recuperação cirúrgico. O tabagismo aumenta cerca de 4 vezes as chances de ocorrer complicações pós operatória.

·         Pacientes que não tenham infecção ou doença dermatológica ativa na área a ser operada.

·         Pacientes saudáveis que não tenham contra-indicações médicas para serem submetidos a procedimento cirúrgico.

·         Pacientes sem dificuldades para cicatrização.

·         Pacientes que sigam à risca as orientações médicas pós-operatórias e disponíveis para ir ao consultório sempre que solicitados. É preciso estar preparado para eventual intercorrência.

Serão discutidas opções de anestesia, riscos, local da cirurgia, intercorrências e complicações do procedimento.

O sucesso da plástica depois do parto ou da plástica depois da bariátrica está diretamente relacionado com a habilidade do cirurgião, avaliação criteriosa da saúde do paciente e pós-operatório adequado. É esperado que o paciente compartilhe as expectativas da cirurgia e histórico médico. No final da consulta, serão solicitados exames pré-operatórios e avaliação de outros especialistas, se necessário.

O pós-operatório da plástica após grande perda de peso  da plástica depois da gravidez serão explicados em detalhes. No final da consulta, o paciente recebe informativos e/ou livro de autoria do Dr. Wulkan que contém informações detalhadas sobre todos os passos necessários de quem deseja fazer a plástica que vai realizar. Com as informações sobre sobre o procedimento, preparo da cirurgia, cuidados pré e pós-operatórios lidas com antecedência, pode-se ainda voltar em consulta ou tirar as dúvidas pelo telefone diretamente com o Dr. Wulkan. É imprescindível que o paciente cumpra as orientações pós-operatórias e retorne ao consultório sempre que solicitado.

O Dr. Wulkan encoraja os pacientes para que tragam suas dúvidas à consulta, a fim de que sejam esclarecidas com o máximo de acurácia possível. Como a consulta é rica em detalhes, pode-se trazer as dúvidas anotadas em papel de maneira a serem respondidas pontualmente como um “check list”. A dedicação que temos com o paciente é fundamental para trazer confiança e informação, ambas essenciais para se obter sucesso na cirurgia.

 

CONTORNO CORPORAL DE PLÁSTICA APÓS GRANDE PERDA DE PESO

 

As cirurgias de contorno corporal pós grande perda de peso vêm se tornando cada vez mais freqüentes no meio médico. Os Estados Unidos é o país que mais realiza esses tipos de cirurgia porque grande parte de sua população é obesa. Com isso, os médicos americanos, mais notadamente de Pittsburgh e Boston (Universidade de Harvard) se tornaram alguns dos principais centros de referência mundial no assunto e o Dr. Wulkan teve oportunidade de aprender nesses centros as técnicas que utiliza em seus pacientes.

Os pacientes que procuram este tipo de cirurgia geralmente passam por dois tipos de situação: perda de grande massa corpórea através de exercícios/dietas, como conseqüência de procedimento bariátrico (ex: banda gástrica, cirurgias disabsortivas-restritivas,…) ou após alguns meses decorridos da gestação. Outras situações em que se observam grande variação de peso são aquelas relacionadas ao envelhecimento natural.

Independente da causa da perda de peso, trata-se de um tipo de paciente vencedor que mostrou força e garra para realizar o sonho de ter mais saúde e um corpo mais bonito.

A cirurgia plástica evoluiu rapidamente nos últimos anos, disponibilizando técnicas de grande valia para corrigir as deformidades da grande perda de peso. O objetivo é manter saúde e ser mais feliz com seu novo contorno corporal.

A plástica depois da bariátrica e a plástica depois do parto envolve procedimentos que restauram a beleza da silhueta do paciente de maneira dramática. É uma abordagem que retira excesso de pele pendente, subcutâneo e gordura de regiões que sofrem com a perda acentuada do peso e da modificação da pele.

Trata-se de restaurar a relação ideal de conteúdo e continente. Nestes casos, os pacientes perdem grande parte de seu “conteúdo” (gordura principalmente) e ocorre uma inversão da proporção de “continente” (sobra pele). Portanto, a cirurgia visa principalmente trazer de volta o equilíbrio dessa relação retirando precisamente o excesso de pele, subcutâneo e gordura localizada.

A cirurgia plástica nunca deve ser compreendida como uma maneira extra de se               perder peso. As expectativas do paciente devem ser realistas com sua situação.

Acompanhamento nutricional é imprescindível para se evitar complicações da plástica depois da gravidez e plástica pós obesidade e até mesmo para melhorar a qualidade de cicatrização. Quando necessário, pode-se sugerir apoio psicológico-psiquiátrico para trazer mais confiança ao paciente em toda sua jornada de busca ao novo contorno corporal.

A tendência atual é realizar o maior número de procedimentos numa mesma etapa cirúrgica. Ou seja, as mamas e braços podem ser operados numa mesma cirurgia pela técnica do UPPER BODY LIFT; o abdome, lifting de coxas e remodelamento de nádegas são tratados numa única etapa no LOWER BODY LIFT. Em algumas situações, o paciente pode ser tratado por completo em todas as suas deformidades pós grande perda de peso na técnica do TOTAL BODY LIFT.

Durante a consulta médica serão explicados todos os detalhes dos procedimentos, assim como eventuais complicações e intercorrências.

O sucesso da plástica pós bariátrica e da plástica depois da gravidez depende basicamente da escolha do seu cirurgião e de suas expectativas. Recomenda-se que a cirurgia seja realizada por plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Se possível, um aprendizado com foco no assunto traz ainda mais refinamento nos resultados.

Muitas vezes deve-se dar prioridade por alguma região do corpo que incomoda mais que outra. Deve-se pensar o quanto quer melhorar para que fique satisfeita(o) com o(s) resultado(s). Por exemplo, na plástica depois do parto muitas vezes o que mais incomoda a paciente é apenas o aspecto da barriga que está flácida e com estrias. Já nos casos de plástica após grande perda de peso, cada paciente pode sofrer as alterações corpóreas de maneira diferente, assim como suas prioridades também são subjetivas. Trazer as dúvidas para a consulta médica é importante para esclarecimento e é importante saber se a expectativa de resultados da plástica pode ser alcançada com êxito e segurança. Em hipótese alguma um paciente poderá ser operado caso não esteja em plena saúde física e mental.

Um ou mais dos seguintes procedimentos podem ser feitos no paciente com grande perda ponderal:

·         correção de hernias (comum após cirurgia bariátrica)

·         correção de diástase dos músculos reto abdominais (comum para plástica depois do parto)

·         lipoescultura e lipoenxertia estruturada

·         plástica de braços (braquioplastia)

·         plástica de abdome (abdominoplastia)

·         cirurgia de mama feminina (com ou sem implante)

·         cirurgia de mama masculina (ginecomastia)

·         plástica de coxas

·         plástica de nádegas

·         cirurgia de face

·         cirurgia de pescoço

·         plástica de áreas íntimas

·         plástica em áreas especiais

·         UPPER BODY LIFT

·         LOWER BODY LIFT

·         TOTAL BODY LIFT

Os procedimentos de plástica pós obesidade podem ser combinados conforme a necessidade de cada paciente. Apenas após exame clínico com o Dr. Wulkan poderemos apontar qual a melhor opção de associação cirúrgica.

 

 

 

O Dr. Wulkan faz parte das seguintes entidades médicas:
Certificados
Certificados
Certificados