NOVO ESTUDO SOBRE RINOPLASTIA ESTÁ DE ACORDO COM A TESE DE DOUTORADO DO DR. WULKAN FEITO NA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

rinoplastia secundariaNOVO ARTIGO DE RINOPLASTIA PUBLICADO NA REVISTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA RATIFICA FATOS JÁ ABORDADOS EM TESE DE DOUTORADO DO DR. WULKAN

 

A rinoplastia continua a evoluir anualmente dentro da sociedade médica. A cada ano, dezenas de novos estudos são feitos com o objetivo de trazer mais informações sobre essa cirurgia que é considerada por muitos como uma das mais difíceis dentro da cirurgia plástica.

Recentemente, um artigo escrito por Silva e Bittencourt avaliou a válvula nasal externa antes e depois da rinoplastia.Basicamente, a válvula nasal externa é uma estrutura que compõe a parte de baixo das narinas, composta por cartilagens e partes moles do nariz e tem a capacidade dinâmica de abrir e fechar conforme passa o ar durante a respiração. Assim como outras estruturas nobres do nariz, ela é importante para a regulagem do fluxo de ar e deve-se atentar a isso durante uma rinoplastia.

Enquanto a tese de doutorado do Dr. Wulkan (acesse a tese nesse link) analisou a eficiência comparativa do uso de enxerto cartilaginoso de septo e de costela na abertura da área seccional narinária, esse estudo avaliou o colabamento da asa nasal durante a respiração e o vetor das cartilagens laterais inferiores (previamente já descrito por Sheen e Constantian). Para a estruturação da asa nasal, os autores usaram enxerto de suporte da cruz lateral e/ou enxerto de contorno alar durante a rinoplastia. A tese do Dr. Wulkan usou o enxerto de reforço alar modificado em cadáveres.

Como resultado do estudo, os autores observaram que o vetor não adequado da cartilagem lateral inferior está relacionado com a insuficiencia valvular externa cuja correção foi efetiva na rinoplastia com o uso de estruturação da asa nasal. Os autores usaram enxertos em 80% dos casos de rinoplastia secundária e 66% dos casos de rinoplastia primária. Segundo o estudo, o uso dos enxertos na insuficiência de válvula nasal foi efetiva em 90% dos casos, além de conferir proporções e contornos mais belos ao nariz.

 

rinoplastiaRINOPLASTIA ESTRUTURADA E RINOPLASTIA SECUNDÁRIA COM USO DE ENXERTOS PARA REFORÇO DA ASA NASAL

 

Embora não seja consenso absoluto entre todos os cirurgiões plásticos, vêm crescendo a indicação de uso de enxertos cartilaginosos para diversos motivos na rinoplastia. No final do século passado, observava-se o uso maior em rinoplastia secundária mas atualmente o uso vem sido feito também em rinoplastia primária. O motivo é a tentativa de trazer mais estabilidade ao nariz para que o resultado atingido seja mais duradouro. Afinal, quantas vezes já observamos uma pessoa que fez rinoplastia mas que ao longo dos anos seu resultado foi piorando cada vez mais. Portanto, o objetivo de se fazer uma rinoplastia estruturada na qual se utiliza uma grande soma de enxertos, mesmo que possa trazer a sensação de um nariz mais “endurecido”, parece ter fundamentos.

A medicina continua a evoluir e vamos acompanhando os estudos que surgem para trazer sempre as novidades comprovadamente eficazes aos nossos pacientes. Para saber se seu caso de rinoplastia necessita de enxertos, consulte sempre um cirurgião plastico da SBCP (www.cirurgiaplastica.org.br).