ESTUDO REVELA POSSÍVEIS CAUSAS DE INFECÇÃO EM CIRURGIAS

rinoplastia secundariaApós analisar 129.007 pacientes inscritos num programa de seguro entre maio de 2008 e maio de 2013 com um total de 183.914 procedimentos realizados, pesquisadores revelam fatores de risco para infecção em cirurgias, tais como rinoplastia, abdominoplastia entre outras. A média de idade do paciente analisado foi de 40,9 anos (variação, 5-93 anos) e o IMC médio foi de 24,3 kg / m2 (intervalo, 17-56,3 kgm2). Haviam 120.650 mulheres, 8.357 homens, 10.621 fumantes ativos e 2.368 pacientes diabéticos. O estudo foi publicado no Aesthetic Surgery Journal.

Os pacientes que desenvolveram infecções na área operada após a cirurgia foram os mais velhos (média de idade, 43,8 vs. 40,9 anos, P <0,01), mais probabilidades de serem do sexo feminino (0,5% vs. 0,3%, P = 0,02) , 27,3 kg / m2 versus 24,3 kg / m2, P <0,01), mais propensos a ser fumantes (10,5% vs. 8,2%, P = 0,04) e mais propensos a ter diabetes pré-existente (4,5% vs. 1,8%, P <0,01), em comparação com aqueles que não desenvolveram infecções de feridas.

rinoplastia estruturadaANÁLISE DO LOCAL DA CIRURGIA

Neste estudo,a maioria dos procedimentos foram feitos em centros cirúrgicos credenciados (57,4%), seguidos por hospitais (26,7%) e consultórios cirúrgicos (15,9%). Houve menos infecções no local cirúrgico após procedimentos realizados em suítes cirúrgicas com base em consultórios (P <0,01).

RELAÇÃO COM MÚLTIPLOS PROCEDIMENTOS SIMULTÂNEOS

A maior parte dos pacientes foi submetida a um procedimento combinado (68%), que apresentou maior taxa de infecções do sítio cirúrgico em comparação com procedimentos únicos (0,8% vs. 0,3%, P <0,01). Os procedimentos corporais tiveram uma taxa aumentada em comparação com os procedimentos de mama ou face (0,9% vs. 0,2%, P <0,01). Isso é interessante pois ratifica o fato de que cirurgias na face, tal como rinoplastia, blefaroplastia e rejuvenescimento facial (facelift), costumam evoluir de maneira muito favorável frente a possíveis infecções; ou seja, infecção ocorre rarament após cirurgia estética que é feita na face (nariz, orelha, pálpebra ou face total).

“A incidência geral de grandes infecções cirúrgicas após a cirurgia estética é muito baixa, mas não irrelevante dado o fato de que estes procedimentos devem comportar um risco mínimo de complicações graves, uma vez que são realizadas com um objectivo final cosmético em indivíduos saudáveis”, finalizam os pesquisadores do estudo.

Por esse motivo, Dr. Wulkan sempre avalia de maneira individualizada a possibilidade de se associar cirurgias, focando na segurança e tranquilidade para o paciente.