Cicatrizes. Quais os tipos? Como tratar?

Como ficará minha cicatriz? A pergunta é bem questionada entre nossos pacientes. O medo de se obter uma cicatriz indesejada pelo resto da vida é grande demais.
Não é possível prever a qualidade de uma cicatrização, mas é possível manter os cuidados corretos pré/pós operatórios.
As cicatrizes podem ser:
- Atróficas: lisa, plana e sem cor;
- Hipertrófica: lisa, saliente, com cor. Pode diminuir de tamanho no decorrer dos anos;
- Quelóide: lisa, brilhante, saliente. Pode causas irritações. Não tende a regredir.

COMO TRATÁ-LAS?

A cicatriz hipertrófica e a quelóide são defeitos na cicatrização por excesso de produção de componenetes de maneira a ocorrer uma desregulação entre a proliferação e a diminuição das células da cicatrização.
É mais prudente dizer que ao invés do médico tratar a cicatriz, é preciso amenizar o resultado insatisfatório. Mesmo com a alta tecnologia presente no dia a dia, há alguns casos que são simplesmente refratários a tratamentos. De maneira geral, podemos refazer a cicatriz, usar cremes “cicatrizantes”, aplicar injeções no local para “acalmar” a cicatriz, realizar betaterapia e outros procedimentos dermatológicos (ex: laser).
No entanto, cabe ao paciente decider se é válido o risco de se obter uma cicatriz que pode resultar em aspecto indesejado. Na cirurgia plástica, essa afirmativa é ainda mais válida para cirurgias de abdominoplastia e redução (ou remodelamento) de mamas pois as cicatrizes costumam ser mais extensas. Felizmente, em outras cirurgias como blefaroplastia, lipoescultura, lipoenxertia e rinoplastia, a cicatriz costuma ser de boa qualidade.

Consulte seu medico de confiança e tire suas dúvidas!

Dr. Wulkan
Cirurgia Plástica / Rinoplastia